O escritor Paulo César Gomes se aprofundou na historia da produção do algodão em Serra Talhada - Foto: Max Rodrigues
Destaques

Escritor serra-talhadense lança livro sobre Agamenon Magalhães e sua influência na produção de algodão

O nome “Agamenon Magalhães” é visto em diversos espaços públicos do estado. É usado, inclusive, para identificar ruas, vias, avenidas… O nome também já foi muito falado em Serra Talhada. Com isso, a gente já consegue perceber que ele pertence a alguém que marcou época.

Mas quem foi Agamenon Magalhães? Qual sua ligação com Serra Talhada? O escritor, professor e colunista Paulo César Gomes conta detalhes dessa história em sua nova obra “Agamenon Magalhães e o ciclo do algodão mocó em Serra Talhada”.

O livro, fruto de uma dissertação de mestrado em História, é uma continuação do “Serra Talhada: Cem anos em quarenta”, lançado em 2019, que aborda o desenvolvimento urbanístico e a chegada do avião e do trem. Na nova obra, o autor decide se aprofundar mais sobre a importância do algodão mocó para Serra Talhada e de como Agamenon Magalhães colaborou para o desenvolvendo laboratorial do produto através da Estação Experimental da Fazenda Saco.

“No livro o leitor poderá encontrar um resumo do processo de povoamento de Serra Talhada, detalhes sobre a presença indígena e a escravidão, além de informações sobre a política local durante o governo de Agamenon e relatos sobre a Festa do Algodão em 1953, e várias outras informações”, conta Paulo César.

Agamenon Magalhães foi a maior expressão política nascida em Serra Talhada. Foi professor, deputado estadual e federal, ministro do Trabalho e da Justiça no governo de Getúlio Vargas, interventor federal em Pernambuco (1937 a 1945) e eleito governador de Pernambuco em 1950. “E foi nessa época que Serra Talhada viveu o seu grande momento de crescimento econômico, cultural, social e urbanístico. Agamenon foi responsável pela construção do Hospam (Hospital Professor Agamenon Magalhães), das escolas Solidônio Leite (a primeira da rede estadual na cidade) e Braz Magalhães (Fazenda Saco – IPA), do campo de monta e do campo de pouso (aeródromo), além do centro médico de Puericultura, da usina de beneficiamento de algodão e da vila dos operários. Ele também mudou o nome da cidade de Villa Bella para Serra Talhada. Mas certamente um dos seus maiores legados foi o estimulo à produção do algodão mocó no Centro Experimental da Fazenda Saco. Agamenon apresentou Serra Talhada ao Brasil através do Algodão Mocó”, explica Paulo César.

O algodão foi tão importante para a cidade que hoje ele faz parte da bandeira do município. O produto começou a ser cultivado em Serra Talhada entre os séculos XVIII e XIX, mas foi no século XX que passou a ser produzido em grande escala. “A questão mais importante em relação ao algodão mocó foi que a fibra desenvolvida na Estação Experimental da Fazenda Saco foi considerada a melhor do Norte e Nordeste, e isso atraiu a atenção do mercado fabril de todo país. A partir daí, a economia da cidade cresceu, e Serra Talhada foi obrigada a se modernizar e se ‘embelezar’ para dar conforto às pessoas que estavam deixando a zona rural para fazer negócios na cidade”, conta o escritor.

O livro de Paulo Cesar possui 160 páginas que prometem levar o leitor para uma viagem ao passado de Serra Talhada, contando com a ajuda de fotos e reportagens das revistas O Cruzeiro, Manchete e de Pernambuco, e dos jornais Diário de Pernambuco, Diário da Manhã e Jornal Pequeno, para comprovar os fatos narrados pelo escritor serra-talhadense.

Agamenon Magalhães e o ciclo do algodão mocó em Serra Talhada foi publicado através de incentivo da Lei Aldir Blanc, e pode ser adquirido, pelo valor de R$20,00, com o próprio autor.

Contatos
(87) 9.9668-3435
Instagram: @escritor.paulocesargomes
E-mail: professorpaulocesargomes@gmail.com

Sobre o Autor

Caren Diniz

Caren Diniz

Caren Diniz é jornalista formada em 2010 pela Universidade Paulista. Nascida e criada na capital de São Paulo, se mudou para Serra Talhada em 2011, e desde então, atua em veículos de comunicação locais, como a rádio Cultura e a Tv Asa Branca, afiliada Rede Globo.
Caren costuma escrever sobre jornalismo diário, e destaca histórias de personagens locais.

Deixe um comentário

Clique aqui para deixar um comentário

Open chat